quarta-feira, 10 de dezembro de 2014

Seu presentão de Natal está aqui!

Aproveite! O Autoshop Linha Verde traz condições exclusivas para você aproveitar seu fim de ano de carro novo!   


sexta-feira, 14 de novembro de 2014

Feriado Proclamação da República

Prezados Clientes, 

O Autoshop Linha Verde informa que devido ao feriado da Programação da República, neste sábado, nosso horário de atendimento será diferenciado.


Sábado 15/11 - 10h00min as 18h00min

Agradecemos a compreensão. 

Administração Autoshop Linha Verde



quarta-feira, 12 de novembro de 2014

Dicas Úteis do Autoshop Linha Verde

FINANCIAMENTO DE VEÍCULOS

Os financiamentos para a compra de carros novos ou usados são realizados em diferentes bancos privados e públicos, em três modalidades: crédito direto ao consumidor (CDC), leasing ou consórcio.

O financiamento mais usado na compra de veículos no Brasil é o CDC. Nesta modalidade, o consumidor realiza um empréstimo em um banco para comprar o carro. O veículo fica de posse do comprador, mas não pode ser negociado (está alienado ao banco) até que sejam quitadas todas as prestações. As taxas de juros que serão pagas são fixadas no início do contrato e não sofrem alterações durante o pagamento das prestações. 


sexta-feira, 17 de outubro de 2014

50 anos de um clássico

Encontro em Curitiba celebra o cinquentenário da Puma, montadora que manteve o sonho do carro brasileiro

O capítulo escrito pelo Brasil na história da indústria automobilística é curto, mas há um nome que destoa dos demais na tentativa de viabilizar um carro nacional. Há 50 anos, a Puma surgiu como uma marca de veículos para competição. Mas os esportivos foram além e em mais de 30 anos alcançaram cerca de 23 mil unidades, com produção no exterior e diversos modelos exportados, fato que a tornou uma das montadoras brasileiras que mais resistiram às turbulências econômicas.

Para lembrar a data, o Puma Club do Brasil, com o apoio do Clube de Automóveis e Antiguidades Mecânicas do Paraná, realiza de 17 a 19 de outubro o 10º. Encontro Nacional do Puma. O evento será aberto ao público e terá a exibição de veículos e a entrega de prêmios. As inscrições para os expositores podem ser feitas até a próxima sexta-feira por e-mail ou no local do encontro (leia mais no serviço).

Para montar um Puma, a receita era simples: pegavam-se os chassis e a mecânica da VW ou da GM de um lado e fabricavam-se carrocerias em fibra de outro. Com isso, o resultado eram carros com visual esportivo, preços mais acessíveis que os importados e de manutenção barata. “O que fez com que a Puma sobrevivesse foi o design e o preço mais em conta em comparação com os importados. No Brasil, um modelo conversível era equivalente ao valor de um Ford Galaxie, que não era barato. Mas a mecânica, que usava chassis de Brasília e de outros carros encurtados, sim”, conta o membro do Puma Club e um dos organizadores do evento Sérgio Emílio Tempo.

Apaixonado pela marca, Tempo possui um Puma GTS conversível, que comprou no início dos anos 2000. Mas o primeiro cupê que levou para a garagem foi adquirido em 1985, depois de considerar outros descapotados populares da época. Já o vice-presidente do clube, Tonico Karas, possui três: um GTS 80, um GTB 80 e um GT 1.600 1971, que aguarda para o restauro. “O primeiro que comprei foi há 34 anos, mas tive que me desfazer depois de a minha esposa engravidar. Eu tive outros carros mais para frente, mas quem tem um Puma uma vez sempre quer ter de novo”, afirma Tonico, que ‘regressou’ à marca nos anos 2000.

Retorno valorizado

Ao longo das décadas de 1970 e 1980, a Puma se garantiu com as vendas aos mercados local e internacional. Entretanto, a pressão das várias crises sofridas pelo Brasil fizeram com que a empresa se endividasse e passasse o controle ao grupo curitibano Araucária S.A., em 1986. O resultado foi a transferência da linha de montagem para o bairro Cidade Industrial e a produção em série na capital paranaense, que durou até 1999, sob a tutela da empresa Alfa Metais, que adquiriu os direitos da marca em 1988.

Antigo diretor da empresa e dono da restauradora Doutor Puma, Rubens Rossatto Filho vê a alta dos impostos como uma das razões para a derrocada da fabricante. No entanto, embora ela tenha fechado as portas, o empresário afirma que a reforma dos cupês está em alta no momento. Hoje, o custo médio de um Puma é de cerca de R$ 25 mil para os modelos mais populares, como o GTS 80. Já os veículos restaurados podem chegar a até R$ 35 mil. E de acordo com Rossatto, a demanda pelo serviço da oficina vai até 2018.

10º. Encontro Nacional do Puma

• Data: 17 a 19 de outubro
• Horários: Sex. 13h às 17h. Sáb. 9h às 17h e Dom. 9h às 13h.
• Endereço: Museu do Automóvel. Av. Cândido Hartmann, 2300, Mercês. Parque Barigui.
• Entrada: R$ 5.
• Inscrições: R$ 150.

• Informações: pumaclubsergio@yahoo.com.br

*Fonte: Gazeta do Povo 

quinta-feira, 11 de setembro de 2014

Liquida Seminovos do Autoshop Linha Verde

Está chegando!! Começa amanhã o Liquida Seminovos do Autoshop Linha Verde - Ofertas e Vantagens de Parar o Trânsito.

Acelere e Aproveite para conferir nossas ofertas!


















segunda-feira, 7 de julho de 2014